Contramapeamento indígena

Frame do vídeo documentário Counter Mapping, onde Jim Enote exibe um dos quadros pintados pelos artistas Zuni.

Acabo de publicar o artigo “Contramapeamento indígena: aproximações entre a cartografia crítica e o decolonialismo” no dossiê “Decolonialidade e política das imagens” da Revista Logos – UERJ. O dossiê foi organizado pelos pesquisadores Fernando Gonçalves, Daniel Meirinho e Michele Salles, aos quais eu agradeço pela oportunidade de divulgação deste estudo.

Estou muito feliz com essa publicação. Gosto muito deste texto pois sinto que ele preenche uma lacuna que ficou aberta em minha tese. Durante o doutorado, fiz um estudo sobre mapeamentos alternativos mas, devido às escolhas inevitáveis de toda pesquisa, o tema do contramapeamento indígena havia ficado de fora. Contudo, essa era uma dívida que eu não poderia deixar de pagar. A reflexão sobre os mapeamentos indígenas é essencial para questionarmos o papel dos mapas em nossa cultura. Nesse texto, procuro aproximações entre a cartografia crítica e o pensamento decolonial, justamente para tentar quebrar a hegemonia que os mapas impuseram sobre o pensamento moderno.

Contramapeamento indígena: aproximações entre a cartografia crítica e o decolonialismo

Resumo: Este estudo trata das relações entre o decolonialismo e a cartografia crítica. Partimos da constatação de que o mapa não é um instrumento neutro de representação do espaço, traduzindo relações de poder. Diante disso, colocamos a seguinte questão: de que maneira a representação do espaço através dos mapas poderia criticar a lógica da colonialidade/modernidade e revelar narrativas reprimidas pelo colonialismo? Apontamos que a resistência ao discurso da colonialidade passa pelas práticas de contramapeamento indígenas.

RIBEIRO, Daniel Melo. Contramapeamento indígena: aproximações entre a cartografia crítica e o decolonialismo. Dossiê Decolonialidade e política das imagens. Revista Logos. Ed. 55, v. 27, n. 3, 2020, p. 17-36. Disponível em: <https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/logos/article/view/53054>. DOI: https://doi.org/10.12957/logos.2020.53054.

Mais uma vez, agradeço também ao prof. Sébastien Caquard, da Concordia University/Montréal pela experiência proporcionada pelo estágio no GeoMedia Lab, onde essas discussões foram fomentadas. Trata-se de um importante espaço de pesquisa para debate sobre a cartografia crítica e suas perspectivas estéticas.

Publicado em mapa | Comentários desativados em Contramapeamento indígena

Análise semiótica dos gráficos do achatamento da curva

Fonte: The Economist

Segue um artigo que publiquei na revista Dispositiva da PUC-Minas sobre os gráficos do achatamento da curva da covid-19. Agradeço aos editores pela oportunidade de divulgar esse trabalho.

Uma análise semiótica dos gráficos do achatamento da curva da pandemia da covid-19

RIBEIRO, Daniel Melo. Uma análise semiótica dos gráficos do achatamento da curva da pandemia da Covid-19. Revista Dispositiva.[on-line] Disponível em: <http://periodicos.pucminas.br/index.php/dispositiva>Dossiê: Comunicação, política e saúde. Editoras Responsáveis: Fernanda Sanglard e Vanessa Veiga de Oliveira. Volume 9, Número 16, Belo Horizonte, dezembro de 2020, p. 147-167.

Este estudo aborda os aspectos comunicacionais dos gráficos conhecidos como “achatamento da curva” da pandemia dacovid-19. Esses gráficos se tornaram populares na cobertura jornalística dessa crise sanitária, na medida em que ajudam a explicar a relevância das medidas de isolamento social frente ao contágio. Os gráficos escolhidos foram analisados utilizando conceitos da semiótica de Charles Peirce. Argumentamos que a proliferação de inúmeras versões do gráfico do achatamento da curva caracterizam um fenômeno de semiose, articulando uma cadeia de sentidos em torno da pandemia.

Publicado em Uncategorized | Comentários desativados em Análise semiótica dos gráficos do achatamento da curva

Como ler infográficos – UFMG

O projeto Como Ler Infograficos trata da importância das estratégias de comunicação voltadas para a divulgação científica. O objetivo é criar uma canal de orientação sobre como ler os infográficos sobre a pandemia de Coronavírus (Covid-19).

O projeto se iniciou por volta de Abril de 2020. Com a pandemia de Covid-19, sentimos a necessidade de debater sobre o uso da infografia na imprensa.

O projeto contou com uma equipe de alunos voluntários e bolsistas dos cursos de Comunicação Social da UFMG. Agradeço a dedicação e o empenho de todos eles para viabilização desse projeto.

 

Publicado em conhecimento, design da informação, mapa, semiotica, visualização | Comentários desativados em Como ler infográficos – UFMG

Infográficos: imagens da Pandemia

Participei de um evento organizado pelos alunos do departamento de Filosofia da UFMG sobre Imagens da Pandemia. Tive a oportunidade de conversar um pouco sobre os projetos de pesquisa e extensão sobre infografia que estão em andamento no DCS-UFMG. Agradeço aos organizadores do evento pelo convite!

Interseções 2020 – Imagem e Filosofia

“O Interseções é um evento que visa lançar luz sob pontos de contato entre a filosofia e outras áreas do conhecimento, tendo por finalidade proporcionar um espaço de diálogo sobre temas de relevância atual.”

Publicado em comunicação, design da informação, mapa, metadados, navegação, visualização | Comentários desativados em Infográficos: imagens da Pandemia

Como ler infográficos?

Segue abaixo um breve resumo do projeto de extensão que acabamos de aprovar na UFMG. Trata-se de uma junção de temas que eu venho perseguindo há um tempo: aliar os estudos dos diagramas da semiótica com a infografia e o design de informação. Diante da crise do Coronavírus, fomos motivados a pensar em propostas de projeto de extensão, a fim de dar um retorno para a sociedade sobre o que temos feito na universidade. Uma das motivações foi justamente pensar em um conteúdo didático para orientar as pessoas a lerem e interpretarem infográficos.

Gráfico do “achatamento da curva”

Como ler um infográfico? Estratégias de informação e desinformação sobre a pandemia de COVID-19

Projeto de Extensão (SIEX no. 403749), coordenado pelo prof. Daniel Melo Ribeiro do Departamento de Comunicação Social da UFMG.

Este projeto de extensão trata da importância das estratégias de comunicação voltadas para a divulgação científica para o grande público. O objetivo é criar uma canal digital de orientação da população sobre como ler os infográficos sobre a pandemia de Coronavírus (COVID-19).

Pretendemos criar um canal digital de orientação da população voltado para o desenvolvimento de habilidades de leitura, compreensão e questionamento dos infográficos que tratam das informações científicas referentes à divulgação da pandemia do COVID-19. Esse canal utilizará plataformas populares de criação de blogs e mídias sociais (como Facebook. Twitter e Instagram) para difusão do conteúdo.

Este projeto de extensão integra ações de pesquisa e ensino da graduação e da pós-graduação do Departamento de Comunicação Social, almejando criar condições para uma reflexão crítica sobre os processos de mediação de informações que ocorrem nos meios de comunicação nesse contexto.

Publicado em arquitetura da informação, comunicação, conhecimento, design da informação, semiotica, visualização | Comentários desativados em Como ler infográficos?

Imagens técnicas e o pensamento imagético em Vilém Flusser

Artigo que publiquei na revista Ação Midiática da UFPR sobre Vilém Flusser. Agradeço aos editores da revista pela oportunidade de divulgar esse texto.

Vilém Flusser

Imagens técnicas e o pensamento imagético em Vilém Flusser: diálogos para uma epistemologia da imaginação.

RIBEIRO, Daniel Melo. Imagens técnicas e o pensamento imagético em Vilém Flusser: diálogos para uma epistemologia da imaginação. Ação Midiática – Estudos em Comunicação, Sociedade e Cultura, v. 19, p. 212-234, 2020. DOI: 10.5380/2238-0701.2019n19-11. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/acaomidiatica/article/view/64829>.

Download do artigo em PDF

Resumo:

Este artigo propõe uma reflexão sobre as imagens técnicas em Vilém Flusser. Considerando a atual proliferação de superfícies e aparatos de reprodução de imagens, Flusser levanta a necessidade de desenvolvermos uma faculdade cognitiva capaz de decifrar como operam as imagens técnicas. Essa faculdade, denominada tecnoimaginação, estimularia o pensamento crítico sobre as imagens. Para elaborar esse argumento, recuperamos dois temas centrais em sua obra: a escalada da abstração e as caixas pretas. A partir desse fundamento, sugerimos que o incentivo ao pensamento imagético passa não somente pelo debate sobre a arte contemporânea, mas pelo diálogo com outros pensadores que também refletiram sobre a epistemologia da imaginação.

Publicado em artigo, estéticas tecnológicas, fotografia, imagem, semiotica, Walter Benjamin | Comentários desativados em Imagens técnicas e o pensamento imagético em Vilém Flusser

Teoria em prosa – Deep Mapping

O Teoria em Prosa conversa com Daniel Melo Ribeiro, professor do Departamento de Comunicação Social da UFMG. Neste episódio, Daniel nos apresenta o conceito de mapeamento profundo (deep mapping) e suas potencialidades para se pensar as relações entre espaço, corpos e experiências.

Agradeço o convite da Sônia Pessoa, Camila Mantovani e Bruno Leal para participar desse podcast.

Publicado em mapa, semiotica, Walter Benjamin | Comentários desativados em Teoria em prosa – Deep Mapping

Inteligência digital da cartografia

Revista Digital de Tecnologias Cognitivas da PUC-SP

Acaba de ser publicada a edição 19 da revista TECCOGS da PUC-SP. Tive o prazer de ser o editor convidado dessa edição, com o tema “Inteligência digital da cartografia”. O download da edição completa (em pdf) está disponível aqui.

Nesta edição, preparei um dossiê sobre sobre Mapeamento Profundo, que é uma parte da minha pesquisa de doutorado.

Confira os artigos e resenhas publicadas. Selecionamos textos interessantes sobre mídias locativas, cartossemiótica, narrativas cartográficas e realidade aumentada.

Confira também a excelente entrevista com o professor Todd Presner, da UCLA. Nessa entrevista, conversamos sobre Digital Humanities, mapeamento espesso e, claro, sobre Walter Benjamin.

Agradeço a todos que participaram desta edição, em especial aos colegas e professores Tânia do Canto, Juliana Rocha Franco, José Alavez, Sébastien Caquard e Isabel Jungk.

Agradeço também a parceria com Guilherme Cestari, editor executivo, e o convite do prof. Winfried Nöth, diretor científico da revista.

Publicado em estéticas tecnológicas, mapa, semiotica, TIDD, vida urbana | Comentários desativados em Inteligência digital da cartografia

Dialogismo e história

Estou lendo sobre Bakhtin.

Sobre o dialogismo:

“A apreensão do mundo é sempre situada historicamente, porque o sujeito está sempre em relação com outro(s). O sujeito vai constituindo-se discursivamente, apreendendo as vozes sociais que compõem a realidade em que está imerso, e, ao mesmo tempo, suas inter-relações dialógicas. Como a realidade é heterogênea, o sujeito não absorve apenas uma voz social, mas várias, que estão em relações diversas entre si. Portanto, o sujeito é constitutivamente dialógico. Seu mundo interior é formado de diferentes vozes em relações de concordância ou discordância. Além disso, como está sempre em relação com o outro, o mundo interior não está nunca acabado, fechado, mas em constante vir a ser, porque o conteúdo discursivo da consciência vai alterando-se.”

FIORIN, José Luiz. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Contexto, 2018. p. 61

Sobre a história:

“A historicidade dos enunciados é captada no próprio movimento linguístico de sua constituição. É na percepção das relações com o discurso do outro que se compreende a História que perpassa o discurso. Com a concepção dialógica, a análise histórica dos textos deixa de ser a descrição de uma época, a narrativa da vida de um autor, para transformar-se numa fina e sutil análise semântica, que vai mostrando aprovações ou reprovações, adesões ou recusas, polêmicas e contratos, deslizamentos de sentido, apagamentos etc. A História não é exterior ao sentido, mas é interior a ele, pois ele é que é histórico, já que se constitui fundamentalmente no confronto, na contradição, na oposição das vozes que se entrechocam na arena da realidade.”

FIORIN, José Luiz. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Contexto, 2018. p. 65

Publicado em comunicação, semiotica | Comentários desativados em Dialogismo e história

A jornada de volta

Em agosto de 2019 (justamente ao completar 40 anos de idade) retorno à FAFICH para uma jornada que, na verdade, começou há 20 anos, quando ingressei-me no curso de graduação em Comunicação Social da UFMG. Retorno, agora, como professor adjunto. Sou praticamente outra pessoa. Ou não, não sei.

 

Acho muito significativo retornar num momento tão crítico para a universidade pública no Brasil. Continuaremos resistindo, malgré tout.

Publicado em comunicação, conhecimento, design da informação | Comentários desativados em A jornada de volta