Compós 2022 – A relação entre crença e verdade

Geane, Conrado e eu apresentamos um estudo sobre o tema da desinformação na Compós 2022. Trata-se de uma tentativa de interlocução entre matrizes semióticas distintas (Peirce e Greimas) para tratar de um problema comum, que é a desinformação. O trabalho é resultado de pesquisas e debates que estão em andamento no grupo de pesquisa MediaAção.

A RELAÇÃO ENTRE CRENÇA E VERDADE NO CONTEXTO DA DESINFORMAÇÃO: uma leitura comparativa de Peirce e Greimas

Resumo: Abordamos a propagação da desinformação no âmbito da pandemia de covid-19, considerando os efeitos práticos do discurso antivacina. Para compreender a questão, acionamos as concepções de verdade e crença em Charles Peirce e Algirdas Greimas. Do ponto de vista do pragmatismo de Peirce, a verdade apresenta uma propriedade ontológica que se submete à realidade. Assim, cabe à ciência observar esses efeitos e corrigir os rumos das cadeias de semiose, de modo a almejar um ponto de convergência ideal, que é a verdade. Já pela semiótica discursiva de Greimas, a verdade não se caracteriza por seu vínculo ontológico, subordinado à realidade, mas pelo contrato de veridicção que depende, por um lado, do fazer persuasivo do enunciador, ou seja, o fazer-crer, e, do outro, do fazer interpretativo do enunciatário, isto é, o crer. As duas correntes enfatizam que a crença é preponderante nas ações, em detrimento do que se entende como verdade.

Agradecemos aos organizadores do GT de Práticas Interacionais, Linguagens e Produção de Sentido na Comunicação pela oportunidade de debate e pela acolhida calorosa das reflexões propostas neste material.

Esta entrada foi publicada em comunicação, conhecimento, pragmatismo, semiotica. Adicione o link permanente aos seus favoritos.